Angelina Jolie visita Mosul, onde as primeiras famílias regressam às suas casas em ruínas

MOSUL (IRAQUE), 10 de julho (UNHCR/ ACNUR) - A atriz Angelina Jolie, Emis­sá­ria do Alto Comis­sariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), visitou hoje a parte oeste de Mossul. A cidade foi controlada durante três anos pelo Daesh, até à sua libertação ainda recente. Depois de percorrer as ruas silenciosas, por entre os edifícios bombardeados, ela encontrou-se com algumas das primeiras famílias que agora regressam às suas casas. Angelina Jolie lançou um apelo à comunidade internacional para que não esqueça o sofrimento vivido por estas pessoas nem os desafios com que agora se confrontam.

* * *
Angelina Jolie colabora com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados desde 2000, ano em que foi nomeada "Embaixadora da Boa Vontade do ACNUR". Em 2012, após 12 anos de intensa atividade humanitária, foi-lhe atribuido o estatuto de "Enviada Especial do ACNUR". Esta visita a Mosul é a sua 61ª missão. Para além de emprestar a sua mediática imagem à causa dos refugiados, contribui também com um terço dos seus rendimentos para projetos humanitários.

 

DIVERSOS PROJECTOS DO CPR SÃO FINANCIADOS PELO FUNDO ASILO, MIGRAÇÃO E INTEGRAÇÃO (FAMI)

 

De acordo com as últimas estatísticas, o número de migrantes forçados em todo o mundo ultrapassa os 65 milhões e não pára de aumentar. O número de pessoas que buscam protecão no nosso país é de cerca de 870 por ano ou 87 pessoas por cada milhão de habitantes, um número bastante inferior à média europeia (2600 pedidos por milhão de habitantes na UE-28, em 2015). Há mais de um quarto de século que o CPR, sempre em colaboração com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), procura minimizar as consequências das deslocações forçadas, em particular das pessoas acolhidas em Portugal.