No Espaço "A Criança", os brinquedos foram ao médico...
BOBADELA, 7 de abril de 2016 (CPR) - O Dia Mundial da Saúde foi assinalado no Espaço "A Criança" com a ida do brinquedo preferido de cada criança ao médico.
Pedimos a cada criança que trouxesse o seu brinquedo preferido para que este fosse ao médico. Montou-se o hospital do brinquedo na entrada da instituição e as crianças esperaram ordeiramente na sala de espera para irem à triagem e para serem consultadas.
Após o preenchimento da ficha na triagem as crianças iam à vez ao médico para que os bonecos fossem tratados, sendo que todas ajudaram no tratamento e diagnóstico da doença.
Foi um momento muito divertido em que brincámos com as crianças desmistificando a ida ao médico.
A maioria preferiu colocar as ligaduras de gesso nos seus brinquedos, tirar a febre, dar injeções, e desinfetar as feridas.
À sesta todas as crianças quiseram dormir com o seu brinquedo.
Consideramos que devemos assinalar este dia para falar com as crianças acerca dos hábitos de higiene, alimentação e cuidados que devem ter com o seu corpo. Achamos ainda que o médico é um elemento essencial para que os cuidados se saúde sejam devidamente assegurados e desta forma quisemos que todos experimentassem uma ida tranquila ao mesmo.
Será ainda elaborado um panfleto acerca desta temática para ser entregue aos pais dos alunos. Agradecemos a colaboração das famílias e à Farmácia São João que nos dispensaram algum material médico para esta atividade.

 

 

 

DIVERSOS PROJECTOS DO CPR SÃO FINANCIADOS PELO FUNDO ASILO, MIGRAÇÃO E INTEGRAÇÃO (FAMI)

 

De acordo com as últimas estatísticas, o número de migrantes forçados em todo o mundo ultrapassa os 65 milhões e não pára de aumentar. O número de pessoas que buscam protecão no nosso país é de cerca de 870 por ano ou 87 pessoas por cada milhão de habitantes, um número bastante inferior à média europeia (2600 pedidos por milhão de habitantes na UE-28, em 2015). Há mais de um quarto de século que o CPR, sempre em colaboração com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), procura minimizar as consequências das deslocações forçadas, em particular das pessoas acolhidas em Portugal.