"Empreender", uma iniciativa da Comissão Social da União de Freguesias de Sta. Iria de Azóia, S. João da Talha e Bobadela

LISBOA, 28 de maio de 2018 (CPR) - A 25 de maio teve lugar na Casa da Cultura de Santa Iria de Azóia o evento “Empreender”, uma iniciativa da Comissão Social de Freguesias da União de Freguesias de Santa Iria de Azóia, São João da Talha e Bobadela, na qual o Conselho Português para os Refugiados (CPR) participa ativamente atenta a localização do Centro de Acolhimento para os Refugiados (CAR).

Depois de uma manhã dedicada aos jovens e à reflexão sobre o futuro escolar/formativo e profissional, a tarde contou com oradores especializados na criação do próprio negócio, nomeadamente a Agência de Investimento da Câmara Municipal de Loures e a Associação Nacional de Direito ao Crédito (ANDC). O fundador da empresa EasyFresh, Ricardo Fernandes, partilhou, ainda, a sua experiência no mundo do empreendedorismo, e o Técnico Oficial de Contas Humbert Alain dos Santos salientou os direitos e deveres dos trabalhadores a recibos verdes.

A par dos diversos workshops, decorreu uma feira de emprego e mentoring, com empresas de recrutamento e centros de formação a divulgar os seus serviços e ofertas, tendo o Gabinete de Inserção Profissional (GIP) do CPR estado igualmente presente.

O coffee break do evento foi muito especial, com salgados confeccionados por uma refugiada do Sri Lanka, servidos, no período da manhã, pelos alunos do Curso de Educação e Formação (CEF) de Empregado de Mesa/Bar do Agrupamento de Escolas de Santa Iria de Azóia.

O CPR acompanhou ao evento um grupo de cerca de 15 refugiados, de diversas nacionalidades e percursos académicos/profissionais, assegurando a tradução das diversas palestras. Das candidaturas às ofertas de emprego presentes, resultou a celebração de um contrato de trabalho na área da construção civil.

 

DIVERSOS PROJECTOS DO CPR SÃO FINANCIADOS PELO FUNDO ASILO, MIGRAÇÃO E INTEGRAÇÃO (FAMI)

 

De acordo com as últimas estatísticas, o número de migrantes forçados em todo o mundo ultrapassa os 65 milhões e não pára de aumentar. O número de pessoas que buscam protecão no nosso país é de cerca de 870 por ano ou 87 pessoas por cada milhão de habitantes, um número bastante inferior à média europeia (2600 pedidos por milhão de habitantes na UE-28, em 2015). Há mais de um quarto de século que o CPR, sempre em colaboração com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), procura minimizar as consequências das deslocações forçadas, em particular das pessoas acolhidas em Portugal.