GABINETE DE INSERÇÃO PROFISSIONAL (GIP)
Em parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), o GIP é um serviço de apoio gratuito que promove a (re) integração profissional e a articulação entre a formação e a vida activa.
É, assim, um espaço intermediário entre as Entidades Empregadoras e a população desempregada, promovendo-se a informação e orientação escolar / profissional dos utentes, bem como o acompanhamento na procura de emprego e respectiva colocação.
O GIP "Novos Espaços - Novas Oportunidades" do Conselho Português para os Refugiados (CPR) foi criado em 2007, inicialmente como UNIVA (Unidade de Inserção na Vida Activa), em parceria com o Centro de Emprego de Loures - Serviço de Emprego de Moscavide.
A quem se destina?
  • Entidades Empregadoras;
  • Requerentes de asilo, beneficiários de protecção por razões humanitárias, refugiados e refugiados reinstalados a quem o CPR apoia no âmbito da lei de asilo n.º 27/2008, de 30 de Junho;
  • Jovens à procura de 1º Emprego e/ou Estágio Profissional;
  • Desempregados à procura de novo emprego e desempregados de longa duração;
  • Utentes com necessidades ao nível da Formação Profissional.
Quais são os apoios prestados pelo GIP?
  • Às Empresas:
    • Divulgação gratuita de ofertas de emprego à população local;
    • Apoio no recrutamento de novos funcionários;
    • Informação sobre medidas de apoio e incentivo à contratação do IEFP.
  • À população local:
    • Atendimento Individual;
    • Informação escolar e profissional;
    • Acompanhamento e apoio na procura de emprego/formação;
    • Realização de sessões de técnicas de procura de emprego:
      • Elaboração de currículo
      • Cartas de apresentação
      • Preparação de entrevistas, etc.
    • Consulta de ofertas de emprego/formação:
      • Acesso à Internet
      • Consulta de anúncios
    • Promoção de contactos com entidades empregadoras;
    • Divulgação de medidas de apoio ao emprego, qualificação e empreendedorismo;
    • Acompanhamento do processo de equivalência de habilitações escolares e profissionais;
    • Divulgação de programas comunitários e actividades em regime de voluntariado que facilitem a inserção no mercado de trabalho.

     

    Os trabalhadores e as entidades empregadoras
    Actualmente, encontram-se inscritos candidatos com experiência profissional e/ou interesse nos mais diversos domínios, tais como:
    • Administração e Secretariado;
    • Contabilidade e Fiscalidade;
    • Construção Civil;
    • Limpezas e Domésticas;
    • Sector Automóvel;
    • Comércio;
    • Artes e Comunicação Social;
    • Indústria;
    • Turismo e Desporto;
    • Educação e Formação;
    • Serviços Sociais;
    • Transportes e Logística.
    Para um ajustamento adequado das necessidades das empresas e da oferta de trabalhadores, a colaboração das diferentes empresas locais é fundamental.
    Caso tenha alguma oferta de emprego contacte-nos para que possamos encaminhar candidatos com os requisitos por si exigidos:

A quem se destina?
Quais são os apoios prestados pelo GIP?
Os trabalhadores e as entidades empregadoras
Animadora do GIP
Horários de atendimento

 

 

 

De acordo com as últimas estatísticas, o número de migrantes forçados em todo o mundo ultrapassa os 65 milhões e não pára de aumentar. O número de pessoas que buscam protecão no nosso país é de cerca de 870 por ano ou 87 pessoas por cada milhão de habitantes, um número bastante inferior à média europeia (2600 pedidos por milhão de habitantes na UE-28, em 2015). Há um quarto de século que o CPR, sempre em colaboração com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), procura minimizar as consequências das deslocações forçadas, em particular das pessoas acolhidas em Portugal.