"Falamos Tudo",  de Nuno Milagre - Leitura Furiosa 2018
Falamos tudo - Falamos lingala, kisonge, ewe, persa, português, sueco, basa'a, francês, bakweri, kikongo, inglês, bembe. Somos sete e falamos doze línguas. Língua materna, língua paterna, língua oficial, língua de partida, língua de chegada, língua franca. Falo a língua do país onde deixei as impressões digitais no vidro, da máquina, no escritório, do prédio, na cidade, do país onde fiquei à espera. Ficar, ou ficar à espera. Espera resposta positiva, espera resposta negativa. Ficar, ou criar outro país. Falamos tudo, mas às vezes faltam-me as palavras, não quero contar. (extrato de “Falamos Tudo”, de Nuno Milagre)
LISBOA, 20 de maio de 2018 (CPR) - Este fim de semana rea­li­zou-se mais u­ma Lei­tu­ra Fu­riosa. O escritor Nuno Milagre esteve no CAR e conversou com 6 pessoas de diferentes prove­niên­cias. Do encontro. resultou o texto "Falamos Tudo", ilustrado por João Cabaço, apresentado hoje à tarde pelo ator Diogo Dória, na sessão pública da Casa da Cerca.

 

DIVERSOS PROJECTOS DO CPR SÃO FINANCIADOS PELO FUNDO ASILO, MIGRAÇÃO E INTEGRAÇÃO (FAMI)

 

De acordo com as últimas estatísticas, o número de migrantes forçados em todo o mundo ultrapassa os 65 milhões e não pára de aumentar. O número de pessoas que buscam protecão no nosso país é de cerca de 870 por ano ou 87 pessoas por cada milhão de habitantes, um número bastante inferior à média europeia (2600 pedidos por milhão de habitantes na UE-28, em 2015). Há mais de um quarto de século que o CPR, sempre em colaboração com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), procura minimizar as consequências das deslocações forçadas, em particular das pessoas acolhidas em Portugal.