Passeio a Guimarães

GUIMARÃES, 5 de julho (CPR) - Planeada desde o início do ano, com o apoio da C.M. de Guimarâes (receção, guias, almoço e apoio logístico) e da C.M. Loures (transporte) realizou-se hoje uma visita à cidade histórica de Guimarães.

Recebidos pela técnica da CM Isabel Baptista , seguimos a pé para a Ordem de S. Francisco onde nos aguardavam o ministro da ordem, Belmiro Jordão, a vereadora Paula Oliveira, e outros técnicos. Depois de algumas palavras cordiais de acolhimento, foi-nos servida uma refeição excelente, de confeção caseira.

Após o prolongado almoço, iniciou-se a visita ao Centro Histórico de Guimarães, acompanhada por uma guia turística. Ao passarmos pelo posto de turismo, foi oferecido a cada participante um saco com um livrinho e um mapa da cidade, uma caneta e um porta-chaves. Seguimos a rota até ao castelo e, por fim, visitámos autonomamente o Paço dos Duques de Bragança.

Das avaliações orais e escritas e dos comentários nas aulas posteriores, ressaltaram a satisfação e reconhecimento por terem tido a oportunidade de visitar uma cidade tão importante na história de Portugal, pelo acolhimento recebido, pelo almoço, pelo dia inesquecível. Referiu-se também a longa distância e como gostariam de ali permanecer mais um dia, algo que antecipámos, falando com a vereadora Paula Oliveira, que se disponibilizou para assim ser de uma próxima vez.

Apraz-nos referir o interesse dos participantes e a forma como interagiram ao longo de todo o dia, num ambiente propício à quebra de barreiras linguísticas e/ou culturais, apesar das 20 nacionalidades diferentes.

Sendo Guimarães um dos municípios parceiros do CPR, consideramos muito positiva a interação e partilha entre técnicos que lidam com pessoas que chegam ao nosso país em busca de proteção, independentemente de o fazerem espontaneamente ou no âmbito de programas de acolhimento. Também por isso, consideramos esta atividade muito positiva para todos os intervenientes.

 

DIVERSOS PROJECTOS DO CPR SÃO FINANCIADOS PELO FUNDO ASILO, MIGRAÇÃO E INTEGRAÇÃO (FAMI)

 

De acordo com as últimas estatísticas, o número de migrantes forçados em todo o mundo ultrapassa os 65 milhões e não pára de aumentar. O número de pessoas que buscam protecão no nosso país é de cerca de 870 por ano ou 87 pessoas por cada milhão de habitantes, um número bastante inferior à média europeia (2600 pedidos por milhão de habitantes na UE-28, em 2015). Há mais de um quarto de século que o CPR, sempre em colaboração com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), procura minimizar as consequências das deslocações forçadas, em particular das pessoas acolhidas em Portugal.